segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

Alemanha vs Elsevier

Os cientistas da Alemanha ainda podem ler as revistas, mesmo que as instituições não tenham renovado suas assinaturas
O gigante holandês da publicação científica, Elsevier, concedeu acesso ininterrupto a suas revistas de conteúdo pago para pesquisadores de cerca de 200 universidades e institutos de pesquisa alemães que se recusaram a renovar suas assinaturas individuais no final de 2017.
As instituições formaram um consórcio para negociar uma licença nacional com a editora. Eles buscaram um acordo coletivo que daria à maioria dos cientistas na Alemanha acesso online completo a cerca de 2.500 revistas por cerca da metade do preço que as bibliotecas individuais pagaram no passado. Mas as negociações fracassaram e, no final de 2017, nenhum acordo havia sido firmado. A Elsevier agora diz que permitirá que os cientistas do país acessem suas revistas pagas sem contrato até que um acordo nacional seja lavrado.
Os dois lados tiveram “conversas construtivas até dezembro”, diz Harald Boersma, porta-voz da Elsevier. “Continuaremos nossas conversas no primeiro trimestre de 2018 para encontrar uma solução de acesso para pesquisadores alemães em 2018 e um acordo nacional de longo prazo”, diz ele. “Onde os acordos de acesso terminaram, informamos essas instituições que manteríamos aberto o acesso ao nosso conteúdo enquanto continuamos trabalhando com a Conferência dos Reitores Alemães [que lideram as negociações para o consórcio] a uma solução e, especificamente, a uma extensão de um ano para os contratos existentes, abrangendo 2018.”
Günter Ziegler, matemático da Universidade Livre de Berlim e membro da equipe de negociação do consórcio, diz que os pesquisadores alemães dominam as negociações. “A maioria dos artigos está agora livremente disponível em algum lugar da Internet, ou então você pode optar por trabalhar com versões pré-impressas”, diz ele. “Claramente, nossa posição de negociação é forte. Não está claro que queremos ou precisamos de uma extensão paga dos contratos antigos”.

Especialistas em publicações acadêmicas em todo o mundo estão observando com atenção a situação na Alemanha. O acordo nacional proposto pelos cientistas inclui uma opção de acesso aberto, segundo a qual todos os autores correspondentes afiliados a instituições alemãs teriam permissão para tornar seus artigos abertos para ler e compartilhar por qualquer pessoa no mundo. Este seria um marco para os esforços globais de tornar os resultados das pesquisas financiadas com verbas públicas disponíveis de forma imediata e gratuita aos cientistas e ao público em geral em todos os países, dizem eles. Confira a matéria publicada na revista Nature.