quarta-feira, 7 de fevereiro de 2018

IPEN e CENA-USP desenvolvem projeto conjunto para esterilização de insetos com radiação nuclear

Um novo método para tornar mosquitos machos inférteis por radiação nuclear que pode ajudar a reduzir as populações do Aedes aegypti, transmissor do vírus zika, dengue e chikungunya, está sendo desenvolvido entre o Ipen - Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares CNEN/SP e o Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA-USP).
A pesquisa "Efeitos da radiação ionizante nas fases do ciclo evolutivo do Aedes aegyptivisando o seu controle através da TIE” será realizada no Laboratório de Radiobiologia e Ambiente, do Centro de Energia Nuclear na Agricultura (CENA/USP), em Piracicaba/SP, e nos laboratórios do Centro de Tecnologia das Radiações do Instituto de Pesquisas Energéticas e Nucleares (IPEN/CNEN-SP).
Após a irradiação, serão avaliadas as viabilidades dos ovos, larvas, pupas e adultos provenientes dos adultos emergidos em cada fase do ciclo evolutivo do inseto irradiado, para se determinar as doses letais e esterilizantes. 
Os procedimentos de irradiação serão realizados em equipamento de raios-X modelo RS-2400V e em irradiadores gama de Cobalto-60 (Panorâmico, Gammacell e Multipropósito), também sob diferentes condições quanto à taxa e dose de radiação absorvida. Já a cultura do mosquito será mantida nas instalações do laboratório do CENA/USP, sob condições controladas pré-definidas. 
De acordo com os pesquisadores Valter Arthur, do CENA, e Anna Lucia Casanas Haasis Villavicencio, do IPEN, a vantagem da TIE é que os mosquitos estéreis podem ser mais facilmente aceitos como alternativa de controle do Aedes aegypti.
"No controle com mosquitos transgênicos, por exemplo, os insetos morrem na fase de larva; no controle com mosquitos estéreis, a larva não chega eclodir dos ovos. Além disso, alguns países não aceitam a utilização de transgênicos, porque não se sabe o que poderá ocorrer com liberação massiva desses. Assim, a liberação de insetos estéreis é uma das alternativas mais viáveis de controle do Aedes aegypti”, justificam os pesquisadores.