quinta-feira, 5 de julho de 2018

A nova geração de avaliadores de periódicos


Praticamente todos os artigos científicos publicados
foram revisados por avaliadores, a chamada 
avaliação por pares, ou peer review.Os avaliadores 
atuam junto com a equipe editorial como ‘guardiões’ 
da qualidade e do rigor científico das contribuições 
recebidas da comunidade de autores pelos periódicos
científicos . Estes avaliadores identificam e alertam
o editor sobre os pontos frágeis e, principalmente, 
recomendam melhorias aos autores. Se o processo de avaliação é bom, todos ganham, 
inclusive os autores. 

Essa atuação é frequentemente realizada de forma anônima (avaliação cega por pares) 
e voluntária. Contudo, o avaliador aceita a responsabilidade de emitir uma opinião 
técnica, isenta e qualificada, além de se comprometer com os prazos acordados. 
A comunidade de uma área confia na atuação desses voluntários, afinal o campo do 
conhecimento é sobretudo construído com o acúmulo dessas contribuições recomendadas
para publicação final por eles e pelos editores. Esta é uma importantíssima função, 
que vem sendo cada vez mais valorizada tanto pelos próprios avaliadores, quanto pelos 
autores e editores.

Apesar do avaliador ou revisor exercer papel central no processo de publicação, como 
apontado pela revista Scientific American, esses voluntários quase nunca são treinados 
para avaliar adequadamente um artigo ou projeto de pesquisa. Ser avaliador exige assumir 
uma leitura que alcança a estrutura subliminar da lógica do desenho de pesquisa, da 
validade e adequação das teorias e métodos empregados, questionando os métodos e 
resultados sem preconceitos, evitando impor sua visão particular sobre o fenômeno. 
Uma nova geração de bons revisores aprimora, ainda mais, o que a geração atual construiu, 
encarando a tarefa com seriedade, pontualidade, são realistas em suas avaliações, 
sucintos e polidos (Miller et al., 2013).

O que demanda novas habilidades e algum tempo para desenvolvê-las. Para suprir a 
demanda da comunidade científica, que sempre precisa de novos talentos para essa nobre
desafiadora função, uma nova geração vem sendo formada. Algumas plataformas, 
periódicos e publishers como Publons Academy, Elsevier e Nature, disponibilizam cursos 
online gratuitos. Além disto, de alguma forma editores têm se reunido para reconhecer todo 
este esforço. A plataforma Publons, lançada em 2012, ainda permite que avaliadores
lancem e validem os pareceres dados. 

Basta lançar a avaliação feita, que o sistema mostra na tela do Editor que por sua vez 
valida o parecer dado. Com o tempo, acumula um histórico de todas avaliações dadas a 
periódicos. Como o editor pode apontar bons avaliadores, o bom avaliador ganha reputação,
e pode ser selecionado por outros periódicos, ou usar a informação em processos seletivos.
Recomendamos entusiasticamente que jovens pesquisadores busquem treinamento 
especializado para atuar como avaliadores. E ainda, que nossos avaliadores se registrem 
e usem a Publons.

Apesar de a plataforma permitir que os pareceres sejam disponibilizados para consulta
pública, as políticas editoriais da RCO não contemplam essa modalidade. 
No nosso caso os pareceres são conhecidos pelos avaliadores, autores e editores. 
Contudo, bons revisores são reconhecidos neste processo. 

Referência
Miller, B., Pevehouse, J., Rogowski, R., Tingley, D., & Wilson, R. (2013).
How To Be a Peer Reviewer: A Guide for Recent and Soon-to-be PhDs. 
Political Science & Politics, 46(1), 120-123. doi:10.1017/S104909651200128X